Diferenças entre Cialis (Tadalafil) e Viagra (Sildenafil)

O Cialis e o Viagra estão entre os dois tratamentos para disfunção erétil (ou impotência sexual) mais conhecidos e eficazes do mercado farmacêutico. Ambos os medicamentos possuem princípios ativos semelhantes, que funcionam como inibidores da PDE-5. Os inibidores da PDE-5 possibilitam a dilatação dos vasos sanguíneos do pênis, permitindo a sua completa ereção.

O Cialis tem como princípio ativo o Tadalafil, e o Viagra, o Sildenafil. O tratamento com um ou com outro medicamento vem sendo indicado pelos profissionais médicos para possibilitar uma vida sexual mais saudável para homens portadores de disfunção erétil, sendo prescritos conforme a condição física do paciente.

Nesse caso, é importante destacar que o uso de ambos os medicamentos só deve ser feito com prescrição, em razão da necessidade de avaliação por um profissional de saúde, garantindo que o Viagra e o Cialis sejam totalmente seguros para o paciente.

Saiba mais sobre as diferenças entre o Viagra e o Cialis.

O que é o Viagra (Sildenafil)?

O Viagra foi o primeiro medicamento especialmente desenvolvido para tratamento de problemas de disfunção erétil, sendo, até hoje, o medicamento mais conhecido no mundo todo.

O princípio ativo do Viagra, o Sildenafil, foi desenvolvido pelo laboratório Pfizer que, desde 1998, ano em que o medicamento foi aprovado pela FDA – Food and Drug Administration, nos Estados Unidos, e imediatamente depois, pela Comissão Europeia, vem comercializando o produto, ajudando milhões de homens no mundo todo a encontrar uma solução definitiva para seus problemas de impotência sexual.

O Viagra, dessa forma, se tornou o pioneiro no tratamento da disfunção erétil, sendo hoje seu nome utilizado inclusive como sinônimo até para tratamentos caseiros, que são divulgados como "viagra natural", por exemplo.

Conheça a composição química do Sildenafil, o princípio ativo do Viagra:

Fórmula Química do Sildenafil

Como funciona o Viagra (Sildenafil)

Com seu princípio ativo agindo no organismo como inibidor da fosfodiesterase tipo 5, o Viagra possibilita que maior fluxo de sangue entre nos vasos cavernosos do pênis, o que vai permitir que o homem, mesmo com qualquer problema de disfunção erétil, consiga manter a ereção pelo tempo necessário para uma relação sexual satisfatória.

A eficácia e a segurança do Viagra foram garantidas através de quatro estudos clínicos, contando com a participação de 1.690 homens, com idades compreendidas entre 19 e 87 anos, portadores de algum tipo de disfunção erétil.

Os resultados dos estudos, que foram encaminhados para os órgãos fiscalizadores de saúde, comprovaram claramente que o medicamento apresenta eficácia contra a impotência sexual.

Nos estudos feitos com o Viagra, os seguintes números foram obtidos:

  • 62% dos participantes conseguiram melhor ereção depois de fazer uso do Viagra 25 mg;
  • 74% dos homens conseguiram benefícios com a dose de 50 mg de Viagra;
  • 82% dos pacientes testados obtiveram resultados com a dose de 100 mg de Viagra.
    • Grupos de Risco para o Viagra (Sildenafil)

      Como medicamento de prescrição, o Viagra pode apresentar algum risco para determinados grupos de pessoas, como os destacados abaixo:

      • Os idosos;
      • Homens que tenham algum problema de funcionamento reduzido ou danos no fígado;
      • Homens portadores de doenças que possam afetar o coração ou os vasos capilares;
      • Homens portadores de problemas de sangramento, como no caso de hemofilia;
      • Homens que apresentam úlcera péptica ativa;
      • Homens portadores de qualquer tipo de anormalidade física no pênis.

      Contraindicações para o Viagra (Sildenafil)

      O Viagra aumenta o nível de circulação sanguínea nos vasos, um dos motivos por que promove a ereção em homens com impotência. Em razão desse efeito, existem algumas contraindicações para seu uso, como observamos a seguir:

      • Homens que tenham sofrido ataque do coração recente;
      • Homens que tiveram acidente vascular cerebral (AVC) em tempo recente;
      • Homens portadores de tensão arterial baixa (hipotensão);
      • Homens que fazem uso de medicamentos contendo nitratos;
      • Homens portadores de problemas hepáticos;
      • Homens que apresentam problemas oftalmológicos graves.

      Além disso, o Viagra não pode ser prescrito para pessoas que apresentam alergia ao seu princípio ativo ou a qualquer componente de sua fórmula.

O que é o Cialis (Tadalafil)?

O Cialis é um medicamento que possui como princípio ativo o Tadalafil, sendo disponível em diversos tipos de dosagens, devendo ser tomado 30 minutos antes da relação sexual e oferecendo seus efeitos por até 36 horas, possibilitando a ereção em homens com disfunção erétil desde que eles tenham estímulo sexual.

O Tadalafil é um princípio ativo que também exige prescrição médica, já que apresenta contraindicações e oferece risco para determinados pacientes. O princípio ativo foi desenvolvido pela empresa de biotecnologia ICOS, sendo comercializado pelo Laboratório Farmacêutico Eli Lilly, com o nome de Cialis.

O Tadalafil recebeu a aprovação do FDA norte-americano em 2003, sendo considerado como a terceira pílula contra a impotência sexual masculina, tendo sido lançado após o Viagra (Sildenafil) e o Levitra (Vardenafil).

Em razão de seu efeito prolongado, quando comparado com as pílulas que o antecederam, o Cialis é considerado como "pílula do fim de semana".

Conheça a composição química do Tadalafil, o princípio ativo do Cialis:

Como funciona o Cialis (Tadalafil)

O Cialis oferece os mesmos efeitos do Viagra, embora esses efeitos sejam mais prolongados. Enquanto o Viagra pode apresentar efeitos por um máximo de 5 ou 6 horas, o Cialis possibilita conseguir ereção por até 36 horas.

Lançado em 2003, o Tadalafil passou por 10 anos de estudos para determinar seus benefícios e sua eficácia contra a disfunção erétil. Os estudos envolveram mais de 1.300 pacientes de diversas idades, em vários países do mundo.

O parâmetro de eficácia mais considerado durante os estudos com o Cialis foi a capacidade de o homem conseguir e manter a ereção que possibilitasse uma relação sexual estável e satisfatória. A eficácia apresentada pelo Cialis foi de 81%, sendo esse o percentual de participantes dos estudos que relataram melhorias na ereção, mesmo com o uso ocasional do medicamento.

Grupos de Risco para o Cialis (Tadalafil)

Como medicamento de prescrição, o Cialis também oferece riscos para determinados grupos de pessoas:

  • Homens que sofreram de problemas renais ou hepáticos;
  • Homens portadores de doenças cardiovasculares;
  • Homens que estejam tomando ao mesmo tempo medicamentos contra a tensão arterial alta;
  • Homens com algum tipo de doença falciforme ou com elevada tensão arterial;
  • Homens com qualquer tipo de anormalidade física no pênis.

Contraindicações para o Cialis (Tadalafil)

Além dos grupos de risco, existem pessoas para quem o Cialis não pode ser prescrito:

  • Mulheres, que são totalmente impedidas de usar o medicamento;
  • Homens menores de 18 anos;
  • Homens que apresentam qualquer condição em que o sexo não seja recomendado;
  • Homens portadores de angina descontrolada;
  • Homens que sofreram nos últimos 6 meses ataque cardíaco ou derrame cerebral;
  • Homens portadores de hipotensão;
  • Homens que estejam usando medicamentos com nitratos;
  • Homens portadores de disfunção renal.

Como ocorre com o Viagra, também o Cialis não deve ser usado por pessoas que sejam alérgicas ao princípio ativo Tadalafil ou qualquer outro componente da fórmula do Cialis.

Quais as diferenças entre Viagra e Cialis?

Entre os medicamentos aprovados para combater a disfunção erétil, o Viagra foi o primeiro, sendo considerada como a “primeira pílula”. O Viagra ainda é o medicamento contra impotência sexual mais testado no mundo todo, em razão do poder de sua marca e à sua presença no mercado por dois anos a mais do que o Cialis.

O Viagra pode ser considerado como precursor de outros medicamentos, inclusive o Cialis.

A principal diferente entre os dois tipos de tratamento contra a disfunção erétil está na duração dos efeitos. O princípio ativo do Viagra, o Sildenafil, apresenta um tempo de semivida, ou seja, de eficácia do medicamento no organismo, bastante inferior ao do Tadalafil, princípio ativo do Cialis. O Sildenafil tem uma duração de efeitos estimada entre 4 a 6 horas após sua ingestão.

O Tadalafil, princípio ativo do Cialis, por seu lado, permanece ativo no organismo por até 36 horas, o que permite que os parceiros possam manter relações sexuais de forma mais natural e por prazo mais prolongado. Por isso, o Cialis foi apelidado de “pílula de fim de semana”. O homem pode, por exemplo, tomar o Cialis na sexta-feira à noite e, se no domingo tiver qualquer estimulo sexual, será capaz de manter relações.

Para qualquer dos casos de medicamentos, o homem deve levar em conta que os princípios ativos possibilitam a ereção de forma natural, ou seja, ela somente acontece quando o homem é estimulado sexualmente.

Tabela comparativa de Viagra e Cialis

A seguir apresentamos uma tabela comparativa do Viagra e do Cialis, o prazo para seus primeiros efeitos, a duração de seus efeitos e suas dosagens.

Tabela comparativa entre Viagra e Cialis
  Viagra (Sildenafil) Cialis (Tadalafil)
Prazo para os efeitos: Até 1 hora Até 30 minutos
Duração dos efeitos: Até 5 horas Até 36 horas
Preço Mais caro Mais acessível
Versão Genérica Disponível Disponível
Dosagens 25, 50 e 100 mg 10 e 20 mg
Uso Diário Não Disponível Disponível

Eficácia e Segurança do Viagra e do Cialis

Considerando os dois medicamentos, Viagra e Cialis, ambos funcionam de forma semelhante, relaxando os vasos sanguíneos que fornecem sangue para o pênis, o que significa que o homem pode conseguir ereção desde que sexualmente estimulado.

Os medicamentos, é importante destacar, não são afrodisíacos, o que exige que o homem seja estimulado sexualmente para conseguir a ereção.

Caso a disfunção erétil tenha alguma causa psicológica, como estresse, depressão ou ansiedade, o aconselhamento terapêutico poderá ser mais eficaz. Esse tipo de terapia normalmente é feito através de aconselhamento psicossexual de casais ou sessões individuais com um conselheiro psicossexual. Muitas vezes, até mesmo conversar sobre a questão com um profissional treinado pode ajudar no tratamento da disfunção.

No entanto, no caso de aconselhamento, pode demorar um pouco mais de tempo até que sejam observados efeitos na disfunção erétil e, por isso, frequentemente é recomendado combinar o tratamento psicológico com um medicamento de prescrição, como o Viagra ou o Cialis, para trazer uma solução de curto prazo.

A média de eficácia do Viagra e do Cialis está entre 60 a 80% para o tratamento de disfunção erétil. Contudo, como mencionamos anteriormente, sempre é possível que um medicamento seja mais ou menos eficaz do que outro para cada tipo de paciente e, portanto, é conveniente realizar um teste com os fármacos disponíveis, principalmente no caso de ser a primeira vez que o homem faça uso de algum produto farmacêutico para a disfunção erétil.

Os inibidores da PDE-5 são considerados como a terapia de primeira escolha para o tratamento de disfunção erétil, uma vez que apresentam eficácia desde o seu lançamento, havendo relatos de milhões de homens que conseguiram recuperar suas funções sexuais com esse tipo de tratamento.

A eficácia dos inibidores da PDE-5 foi objeto de estudos da Universidade de Zurique, do Instituto Federal Suíço de Tecnologia e do Centro Médico da Universidade de Maastricht, nos Países Baixos. Os pesquisados analisaram 82 estudos sobre a eficácia dos princípios ativos, constatando que os tratamentos são bem mais eficazes do que o placebo, sendo geralmente bem tolerados e seguros.

Quais os efeitos colaterais do Viagra e do Cialis?

Os efeitos colaterais apresentados por ambos os medicamentos são semelhantes, como, entre outros, dores de cabeça, nariz entupido, rubor facial, dor de estômago ou dores nas costas, que são os mais frequentes.

Um determinado percentual de homens, em número bem menos significativo, apresentaram efeitos colaterais mais severos, principalmente com Viagra que, no entanto, foram menores com o Cialis. Por outro lado, alguns consideram que os efeitos colaterais do Cialis são mais prolongados, o que se torna um incômodo para esses homens.

Confira a tabela abaixo com os efeitos colaterais do Viagra e do Cialis:

Efeitos colaterais do Viagra (Sildenafil) e Cialis (Tadalafil)
Efeitos colaterais mais comuns
  • Dor de cabeça
  • Congestão nasal
  • Vermelhidão no rosto
  • Dores na região das costas
  • Dores e incômodos no estômago
  • Dores ou incômodos musculares
  • Visão embaçada
  • Enjoos e náuseas
  • Visão com maior intensidade de cor
  • Surgimento de erupções na pele
Efeitos colaterais menos comuns
  • Vermelhidão facial
  • Congestionamento nasal
  • Indigestão
  • Sensação de enjoo
  • Visão alterada
Efeitos colaterais raros
  • Sonolência, sensação de cansaço
  • Incômodos na visão, com dores, visão dupla, derrame ocular, irritação nos olhos
  • Vertigem
  • Ritmo cardíaco irregular ou mais rápido do que o normal
  • Apito nos ouvidos
  • Dores musculares
  • Boca seca
  • Dores no peito

Um ponto importante a ser observado é que nem o Viagra nem o Cialis devem ser usados por homens que fazem uso de medicamentos ou drogas recreativas contendo nitratos.

O Cialis não deve também ser tomado por homens que estejam usando medicamentos classificados como alfa-bloqueadores que, muitas vezes, são indicados para tratar problemas de próstata ou de pressão arterial elevada.

Homens que usam bloqueadores alfa podem usar Viagra ou Levitra, mas devem manter um intervalo de pelo menos seis horas entre esse tipo de medicamento e o Viagra ou Levitra.

Como escolher entre Viagra e Cialis?

Os diferentes medicamentos para tratamento de disfunção erétil são adequados para pessoas com condições físicas também diferentes. No entanto, é difícil informar qual deles é o melhor para um determinado caso, até que o homem tenha feito uso de algum deles anteriormente.

Mesmo que um determinado medicamento para disfunção erétil não funcione para um paciente pela primeira vez, o recomendado é que o utilize pelo menos oito vezes antes de desistir e tentar outro. Essa recomendação é pelo fato de que é preciso analisar o medicamento por um determinado período, possibilitando inclusive que ele se adapte ao organismo do paciente, antes de determinar se é ou não adequado para cada caso.

É também importante lembrar que, de uma forma geral, os medicamentos apresentados funcionam de maneira similar. No entanto, tomar medicamentos sem prescrição médica é muito arriscado. Por isso, antes de fazer uso de qualquer medicamento para disfunção erétil, é necessário consultar um médico.

Saiba mais sobre os medicamentos Viagra e Cialis nas tabelas abaixo:

4.6 171 Classificações

Cialis

  • Faz efeito em 30 minutos e dura até 36 horas
  • Está disponível nas doses de 10mg e 20mg
  • Receita médica incluída e entrega grátis
Caixa de Viagra 100mg
4.7 157 Classificações

Viagra

  • Eficácia a partir dos 30 minutos e até 4 horas
  • Disponível nas doses de 25mg, 50mg e 100mg
  • Receita médica incluída e entrega grátis
Fontes: