Disfunção erétil (impotência sexual) após uma vasectomia

A disfunção erétil (impotência sexual) como uma causa direta de uma vasectomia é rara, contudo, alguns homens podem experienciar problemas de ereção nos primeiros tempos a seguir à operação, como um efeito psicológico desta, o que compromete a sua performance sexual. Este impacto psicológico que alguns homens sofrem, pode dever-se ao medo irracional de castração, porém, este medo não tem fundamento fisiológico, uma vez que após uma vasectomia, o corpo continua a produzir sémen como fazia antes e responde da mesma forma aos estímulos sexuais.

O que é uma vasectomia?

A vasectomia é uma forma de contracepção masculina permanente, que ao contrário de outros métodos contraceptivos temporários disponíveis, é difícil de reverter. Também é conhecida como esterilização masculina e equipara-se à laqueação das trompas de Falópio, outra forma de contracepção permanente, neste caso realizada nas mulheres. Apesar de ser um procedimento com menos riscos do que a laqueação das trompas, devido à localização das estruturas que sofrem a intervenção cirúrgica, a vasectomia tem o mesmo princípio, impedir que as células sexuais masculinas – os espermatozoides alcancem o sémen e consequentemente possam proceder à fertilização da célula sexual feminina – o óvulo.

Isto significa que mesmo após ser submetido a uma vasectomia, o homem consegue ejacular normalmente, a diferença reside no facto de não estarem presentes espermatozoides no seu sémen, eliminando por completo o risco de gravidez.

Por ser um processo mais seguro que a esterilização feminina, torna-se frequentemente a primeira opção do casal no que diz respeito à contracepção permanente. Raramente são experienciados efeitos secundários ou complicações após a cirurgia.

Vasectomia no homem

O que acontece durante uma vasectomia?

A vasectomia pode ser realizada sob anestesia geral ou local, porém é normalmente dada preferência à anestesia local, sendo esta suficiente para realizar o procedimento sem dor ou qualquer desconforto. Após a anestesia é feita uma incisão no escroto para a localização dos vasos deferentes, os canais que ligam os testículos à uretra. Estes são depois cortados e selados. O selamento pode ser feito por sutura ou por electrocauterização, ajudando a formar tecido cicatricial que também promove o selamento. Após o corte os vasos deferentes são reposicionados novamente no escroto, sendo a incisão inicialmente feita, suturada.

Como pode uma vasectomia causar disfunção erétil nalguns homens?

O processo de ereção está dependente de várias funções endócrinas e vasculares, que quando alteradas, podem resultar em disfunção erétil. Contudo, uma vasectomia não é sinónimo de disfunção erétil, uma vez que esta não interfere diretamente com as funções envolvidas na obtenção de uma ereção pelo homem. Por outras palavras, é possível afirmar que o procedimento só por si é pouco provável de causar qualquer dano físico que possa causar disfunção erétil (impotência sexual). Contudo, é importante lembrar que podem decorrer algumas semanas até que o desconforto da cirurgia passe e o homem possa voltar a ter relações sexuais normalmente.

Um número muito pequeno de homens pode experienciar dor contínua a seguir a uma vasectomia, podendo esta afetar a sua performance sexual. Contudo, esta situação é muito raramente experienciada pelos homens que se submetem a este procedimento. Por vezes pode ocorrer a inflamação do escroto, como resultado do extravasamento de esperma, podendo esta ser facilmente tratada caso ocorra.

A disfunção erétil associada à vasectomia é na maioria das vezes motivada por associações negativas a este procedimento. Por este motivo, recomenda-se uma breve avaliação psicológica do doente antes de este se submeter ao procedimento, principalmente se estiverem associados medos de castração à ideia de fazer uma vasectomia. Também não se recomenda que se submeta a uma vasectomia no caso de experienciar problemas de disfunção erétil como resultado de alterações físicas ou psicológicas.

O que fazer se experienciar disfunção erétil após uma vasectomia?

Se experienciar disfunção erétil após uma vasectomia, é possível que estejam presentes outras causas que justifiquem a presença dos problemas de ereção. Por este motivo, é importante que consulte o seu médico para que possa ser diagnosticada a raiz do problema e possam ser despistados problemas psicológicos ou físicos, como por exemplo a vasectomia.

Se não estiver presente mais nenhuma outra condição subjacente que justifique a ocorrência da disfunção erétil, é importante relembrar que o impacto psicológico pós-vasectomia é muito mais provável do que qualquer causa física causada por este procedimento. De qualquer forma, após o diagnóstico, será possível a recomendação de medicamentos para a disfunção erétil (ViagraSildenafil (o genérico do Viagra), Cialis, Levitra ou Spedra) ou outros tratamentos, se assim se justificar.