DST's mais comuns nas mulheres

Uma vez que a transmissão de DST ocorre entre homens e mulheres, estas infeções podem ter a mesma prevalência em ambos os sexos. No entanto, e tendo em conta as características do aparelho reprodutor feminino, as manifestações das mesmas infeções podem ser muito distintas, ou ter consequências mais graves para um dos sexos.

Sabe-se também que a anatomia feminina é particularmente propícia ao desenvolvimento de doenças sexualmente transmissíveis. Isto porque a pele da vagina é bastante mais fina do que a do pénis, facilitando a entrada de microrganismos, e porque o órgão reprodutor feminino é mais húmido e menos arejado. Por outro lado, os sintomas das várias doenças são mais difíceis de identificar, já que podem ser confundidos com o corrimento vaginal normal ou com candidíases, que são bastante frequentes na mulher, embora muito raramente tenham complicações.

Adicionalmente, o facto de a mulher poder engravidar coloca um peso adicional no diagnóstico e tratamento da infeção feminina, já que esta pode resultar na perda da gravidez ou na transmissão da doença ao bebé.

Sobre DST's mais comuns nas mulheres

Obtenha o seu tratamento em apenas 3 passos simples
Complete o seu formulário médico
Escolha o seu Tratamento
Entrega Expresso grátis
Tratamento Disponível DSTs
4.5/5 - 64 Classificações

Azitromicina

  • Tratamento eficaz numa dose única
  • Disponível na dose de 500mg
  • Entrega em qualquer lugar do Brasil
  • Embalagem e entrega discretas
4.7/5 - 64 Classificações

Doxiciclina

  • Tratamento eficaz com a duração de uma semana
  • Disponível numa dose baixa de 100mg
  • Entrega grátis em todo Brasil
  • Embalagem e entrega discretas
4.6/5 - 49 Classificações

Pacote Tratamento Gonorreia

  • Tratamento eficaz numa dose única
  • Contém 400mg de Cefixima e 1000mg de Azitromicina
  • Entrega grátis em todo o Brasil
  • Embalagem e entrega discretas
Ver mais tratamentos

Gonorreia

Bactéria da gonorreiaÉ provocada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, e pode ter sintomas semelhantes aos da clamídia. Embora esta doença possa causar um corrimento anormal tanto no pénis como na vagina, 10 dias após a exposição, apenas 20% das mulheres têm este sintoma. Este facto pode dificultar bastante o diagnóstico atempado da doença.

HPVVírus do hpv

É a infeção sexualmente transmissível mais disseminada entre a comunidade, mas tem consequências muito mais graves para a mulher. Na maioria das vezes, a infeção cura espontaneamente. Mas em alguns casos, pode resultar na formação de verrugas ou até no desenvolvimento de cancro cervical. Neste momento, e como a infeção está tão disseminada, há já uma vacina dirigida para a prevenção da infeção pelos tipos de vírus HPV mais preocupantes.

Sífilis

SífilisEsta infeção bacteriana é geralmente transmitida por via sexual mas pode mais tarde afetar outros órgãos, como o cérebro e o coração. Pode também ser transmitida ao bebé durante a gravidez, colocando-o em risco de desenvolver malformações ou até de não sobreviver. Por isso, o seu diagnóstico e tratamento nas mulheres é especialmente importante.

A doença tem quatro estadios, aos quais correspondem diferentes sintomas, sendo que geralmente só é detetada a partir do terceiro. Nessa altura, a doença afeta o sistema nervoso central, podendo causar demência, falta de coordenação ou cegueira.

Nos seus estadios iniciais, a doença pode ser facilmente tratada com recurso a injeções de penicilina.

Herpes genital

Vírus do herpes Ambos os tipos de vírus, HSV-1 e HSV-2, podem causar infeção genital embora o HSV-2 seja mais frequente. O sintoma principal são as conhecidas bolhas, geralmente dolorosas e pruriginosas, mas que na mulher se podem desenvolver no interior da vagina onde não são visíveis, e muitas vezes não são sequer sentidas.

O primeiro episódio de herpes genital é normalmente mais doloroso, podendo nem sequer haver episódios recorrentes.

HIV

Vírus do HIVÉ a doença sexualmente transmissível mais temida uma vez que ainda não se conhece um tratamento eficaz para a sua erradicação.

Pode ser transmitida através dos fluidos provenientes dos órgãos genitais, do sangue mas nas mulheres pode ser também transmitida ao bebé pela amamentação.

Os sintomas são poucos, e altamente inespecíficos, pelo que o diagnóstico por meio de análises sanguíneas é essencial.

Atualmente, há medicamentos capazes de retardar bastante a progressão desta doença e até mesmo de impedir que seja transmitida ao bebé pela grávida.

Clamídia

Bactéria da clamídia É uma infeção bacteriana que pode ser difícil de detetar nos primeiros tempos, uma vez que não causa quaisquer sinais ou sintomas. Posteriormente, pode ocorrer a expulsão de corrimento vaginal anormal, e dor ou ardor durante a micção. A infeção por clamídia pode ser tratada com recurso a antibióticos.

Tricomoníase

TricomoníaseÉ causada pelo parasita Trichomonas vaginalis, que infeta mais facilmente a mulher do que o homem. Pode ser transmitida através do sexo vaginal ou anal, e os sintomas costumam manifestar-se nos 28 dias que seguem a infeção. Podem incluir comichão, ardor e sensação de dor na zona genital. Pode também haver secreção de corrimento de mau odor, ou de cor branca, amarela ou verde, tal como acontece na infeção por gonorreia.

Esta infeção pode aumentar a probabilidade de o próprio ou de o parceiro poder vir a ser infetado pelo HIV, e no caso da mulher pode mesmo levar ao parto prematuro.