Enjoo de altitude

Tratamento para previnir o enjoo de altitude online

Dr Stamatios PoupalosClínico Geral

O enjoo de altitude, também chamado de mal da montanha e de ""soroche"" pelos peruanos, é uma situação que afeta pessoas em regiões mais elevadas, nas montanhas, pode acontecer em três formas. Suave: mal de altitude agudo (MAA), é muito semelhante a uma ressaca e é muito comum, a MAA pode ser um alerta de formas mais graves da doença: edema pulmonar de grande altitude (EPGA) ou edema cerebral de grande altitude (ECGA). Pode ser prevenido com medidas que visam a aclimatização ou com o uso de medicamentos para este efeito, antes de começar a subida. Na Health Express pode consultar informações sobre o enjoo de altitude antes de viajar.

Tratamento Disponível Enjoo de altitude
Diamox em comprimidos
5/5 - 1 Classificações

Acetazolamida (Diamox)

  • Melhora a respiração e as náuseas
  • Capacidade diurética
  • Indicado para altitudes acima dos 2500m

O que é enjoo de altitude?

O enjoo de altitude ocorre em virtude da diminuição da pressão atmosférica, o que torna mais difícil inalar oxigênio. Os princípios do enjoo de altitude acontecem acima de 2.500 m do nível do mar, causando tonturas, náuseas, dores de cabeça e dificuldade de respiração. Alguns casos, dependendo da situação física da pessoa, podem se tornar fatais.

Dr Stamatios PoupalosMédico Clínica Geral

Ainda com dúvidas? Complete uma consulta online grátis e pergunte à equipe médica qual o tratamento mais indicado para si.

Comece a sua Consulta online Agora

O que causa o enjoo de altitude?

A atmosfera terrestre possui uma porcentagem de oxigênio de 21%, que se mantém inalterada sobre o globo, com a mesma proporção entre oxigênio e nitrogênio, mas o número de moléculas dos gases vai decaindo conforme a altitude, resultando em menor densidade. Assim, quando subimos a alturas superiores a 2.500 metros, é mais difícil respirar e manter as mesmas condições mentais e físicas do que em altitudes mais baixas.

Nos aviões, a pressão atmosférica é mantida aos níveis do solo mas, mesmo assim, alguns passageiros podem sentir o enjoo de altitude em longos voos. O problema acontece quando há uma rápida subida, não deixando que o corpo se acostume com pressões atmosféricas mais baixas, a que estamos acostumados.

O termo "soroche", também usado para o enjoo de altitude, é proveniente da América do Sul, tendo como significado "minério", em virtude de uma crença antiga dos incas de que o problema era provocado pelas emanações tóxicas dos minérios presentes nas montanhas da Cordilheira dos Andes.

como-o-mal-da-altitude-funciona

Quais são os sintomas do enjoo de altitude?

Os sintomas do enjoo de altitude incluem vômitos, náuseas e dores de cabeça, principalmente, que ocorrem depois de uma subida rápida a locais mais altos ou quando um passageiro provindo de regiões mais baixas aterrissa num aeroporto de altas altitudes e sente, de imediato, a diferença da pressão em que estava para a pressão vigente no ambiente.

O enjoo de altitude pode evoluir para quadros de edema pulmonar de grande altitude ou para edema cerebral, que podem ser fatais, dependendo da condição física do indivíduo.

Podem ocorrer também casos crônicos, como o que é conhecido como "doença de monge", uma condição diferente que acontece apenas depois de exposição muito prolongada às altas altitudes, provocando desidratação, em virtude da maior taxa de vapor de água perdida pelos pulmões.

O enjoo de altitude também pode provocar falta de apetite, fadiga, fraqueza física, tonturas e vertigens. Se os sintomas persistem, a pessoa pode ter insônia, parestesia, falta de ar ao se movimentar, hemorragia nasal, aceleração cardíaca, inchaço nas mãos, nos pés e no rosto e, em alguns casos, diarreia.

Mal de Altitude Aguda (MAA)

Anorexia

Náusea

Vômito

Insônia

Tontura

Fadiga

Dificuldade com a luz

Edema Cerebral por Alta Altitude (ECAA)

Dor de cabeça

Disorientação

Perda de coordenação

Perda de memória

Ataque psicótico

Mudança de comportamento

Coma

Edema Pulmonar por Alta Altitude (EPAA)

Aperto no pulmão

Tosse persistente

Expectoração espumosa

Sensação de iminente

Sensação de sufoco

Dificuldade para dormir

Prevenção e tratamento do enjoo de altitude

A melhor prevenção contra o enjoo de altitude é fazer uma subida lenta e gradual, permitindo que o corpo se acostume com a pressão atmosférica mais baixa. É importante também que o indivíduo, ao subir para alturas maiores, tenha uma boa condição física para que o organismo se acostume mais rapidamente.

O enjoo de altitude, no entanto, depende muito da suscetibilidade de cada indivíduo, de sua atividade física, da altitude atingida, que podem tanto reduzir quanto aumentar os sintomas e a severidade do problema.

Em todos os casos de enjoo de altitude, é necessária a adaptação à redução dos níveis de oxigênio nas altitudes mais elevadas. Acima dos 3.000 m, a maior parte das pessoas adota a prática de somente subir durante o dia, retornando a altitudes mais baixas para passar a noite, como é o caso de escaladores e trekkers.

O processo deve ser repetido diversas vezes, aumentando gradativamente o tempo em altitudes mais elevadas e permitindo que o corpo faça os ajustes necessários aos níveis de oxigênio, um processo que envolve a produção de novos glóbulos vermelhos. A adaptação não deve ser feita de forma apressada, para que o organismo tenha tempo de se acostumar com menor quantidade de oxigênio, evitando os sintomas do enjoo de altitude.

O enjoo de altitude pode ser evitado?

A única forma de evitar o enjoo de altitude é descendo para alturas menores. O tratamento ou tentativas de estabilização de pacientes com enjoo de altitude pode ser perigoso, a menos que devidamente acompanhado por um médico e com instalações adequadas.

Alguns tratamentos que apresentam eficiência é a utilização de oxigênio, que pode permitir a redução dos sintomas em até três dias, sem necessidade de descer de altas altitudes.

Em casos mais graves de enjoo de altitude, on quando a descida rápida se torna impraticável, é necessário a utilização de uma câmara hiperbárica, inflada. A câmara, conhecida como bolsa Gamow, é usada apenas como tratamento temporário para retirar o paciente de altitudes mais elevadas.

Na Cordilheira dos Antes, em países como Equador, Bolívia e Peru, os habitantes costumam tomar um chá a partir da planta de coca ou mascar a erva para reduzir os sintomas.

Quais são os tratamentos para o enjoo de altitude?

A indústria farmacêutica desenvolveu um medicamento, o Diamox, que é usado como preventivo para evitar os sintomas do enjoo de altitude. O medicamento deve ser tomado antes de começar a subir para altitudes elevadas.

O Diamox, no entanto, deve ser tomado mantendo-se os cuidados para a aclimatação do organismo às altitudes elevadas. Seu principal efeito no organismo é alterar a acidez do sangue para melhorar a respiração e ajudar na função pulmonar, uma das funções mais comprometidas em altas altitudes.

O uso do medicamento, no entanto, não elimina a necessidade de subir devagar para que o corpo se acostume. Caso o paciente sinta os primeiros sintomas do enjoo de altitude, deve parar, descansar o tempo necessário ou descer, se os sintomas se tornarem mais graves.

O Diamox tem como princípio ativo a acetazolamida, um diurético que atua inibindo a enzima anidrase carbônica, sendo também utilizado no tratamento de glaucoma, permitindo a redução da pressão ocular e do edema, quando há retenção de fluidos no organismo.

O uso do Diamox permite melhor adaptação do organismo a altitudes elevadas, exigindo, no entanto, que o indivíduo siga também as recomendações para adaptação às montanhas.

Consulta online grátis
Fontes: