Ingrediente ativo Oseltamivir para o tratamento da gripe

O oseltamivir, ingrediente activo do medicamento Tamiflu, é utilizado para tratar a gripe em pessoas com 2 semanas de idade ou mais que tiveram sintomas de gripe durante 2 dias ou menos. Também pode ser administrado para prevenir a gripe em pessoas com pelo menos 1 ano de idade, que podem estar expostas ao risco mas ainda não apresentarem sintomas.

Serviço de Excelência

3,987 classificações de pacientes

4.8/5
Tudo incluído no Preço

Avaliação, Receita médica e entrega Grátis

Privado e Convidencial

Entrega e Pagamentos discreto

Medicamentos Originais:

Prescritos por médicos registados no Reino Unido

Obtenha tratamento em apenas 3 simples passos
Complete o seu formulário médico
Escolha o seu Tratamento
Entrega Expresso grátis
Tratamento Disponível Gripe
Tamiflu kaufen und gesund werden.
3.7/5 - 2 Classificações

Tamiflu

  • Trata sintomas da gripe em adultos e crianças eficazmente
  • Actua nos vírus da influenza tipo A e B
  • Acelera o processo de recuperação

O que é o Oseltamivir?

O Oseltamivir, ou fosfato de oseltamivir, é um produto farmacêutico desenvolvido pelo Laboratório Roche para combater e prevenir os vírus Influenza dos tipos A e B.

O princípio ativo, aplicado no medicamento Tamiflu, possui atividade antiviral, sendo metabolizado pelo fígado e pelo trato gastrointestinal e transformado em carboxilato de oseltamivir, tornando-se seletivo contra os vírus da gripe.

fórmula química do oseltamivir

O Tamiflu, medicamento que utiliza o princípio ativo oseltamivir, foi o primeiro a ser aplicado durante a pandemia de gripe A que assolou o México no ano de 2009, tendo sido classificado na lista C1 das substâncias sujeitas a controle especial pela Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Porém, a restrição foi retirada em 2012, sendo hoje um medicamento que pode ser vendido sem prescrição médica.

O oseltamivir recebeu da FDA norte-americana (Food and Drugs Adminsitration, órgão semelhante à Anvisa) sua aprovação em 2012, sendo indicado para o tratamento de gripe em crianças com no mínimo duas semanas de idade. O estudo para sua aprovação envolveu 136 crianças.

Mecanismo de ação do oseltamivir

O fosfato de oseltamivir é considerado pelas agências de regulamentação de medicamentos e pelo próprio laboratório Roche, que o desenvolveu, como uma pró-droga, ou seja, trata-se de um princípio ativo que é biotransformado dentro de nosso organismo, convertendo-se em carboxilato de oseltamivir.

Como principal característica, o oseltamivir age inibindo seletivamente as neuraminidases, impedindo a ação das glicoproteínas, responsáveis pela liberação dos vírus e impedindo sua saída de uma célula para outra, combatendo, dessa forma, a contaminação orgânica.

como funciona o oseltamivir

O oseltamivir não impede que haja a contaminação através dos vírus de influenza A e B, sendo apenas usado para o tratamento da infecção. Assim, os medicamentos que têm como princípio ativo essa pró-droga não deve ser considerado um substituto para a vacina contra a gripe; ou seja, o medicamento serve apenas para combater a infecção, portanto não deve ser utilizado como substituição da vacinação contra a gripe, que é feita anualmente, para pacientes de risco.

É importante lembrar que a proteção contra a gripe mantém-se apenas durante a administração do oseltamivir, devendo ser usado para o tratamento e prevenção quando haja dados confiáveis sobre a possibilidade de epidemias, indicando que poderá haver ocorrência de um surto de gripe.

Também é importante destacar que a suscetibilidade ao oseltamivir por parte das estirpes de vírus da gripe existentes mostra-se bastante variável, devendo ser consideradas as informações sobre esses padrões com relação ao princípio ativo.

Estudos clínicos e laboratoriais

Em um estudo realizado pela The Lancet, uma revista médica geral internacional independente, fundada em 1823 por Thomas Wakley, foram incluídos dados de nove ensaios, incluindo 4328 pacientes. Na população infectada por intenção de tratar, observou-se um tempo menor de 21% para o alívio de todos os sintomas para o oseltamivir versus os receptores de placebo.

Os tempos médios de alívio foram 97,5 h para o oseltamivir e 122,7 h para os grupos placebo. Para a população de intenção de tratar, o efeito do tratamento estimado foi atenuado, mas permaneceu altamente significativo (diferença mediana -17,8 h). Na população infectada por intenção de tratar, foram observadas menos complicações do trato respiratório inferior que requerem antibióticos mais de 48 h após a randomização e também menos internações por qualquer causa.

Quanto à segurança, o oseltamivir apenas aumentou o risco de náusea e vómitos em comparação ao placebo. Não foram registrados quaisquers efeitos sobre distúrbios neurológicos ou psiquiátricos ou eventos adversos graves.

Como tomar oseltamivir

O paciente deve tomar oseltamivir exactamente como prescrito pelo seu médico. Seguir todas as instruções no rótulo da receita. Não deve-se tomar este medicamento em quantidades maiores ou menores ou durante mais tempo do que o recomendado.

Deve-se começar a tomar o oseltamivir o mais rápido possível depois que os sintomas da gripe aparecem, tais como febre, calafrios, dores musculares, dor de garganta e nariz escorrendo ou comichoso.

Deve-se tomar a cápsula com um copo cheio de água.

É possível abrir a cápsula de oseltamivir e polvilhar o medicamento em um líquido doce (xarope de milho, xarope de chocolate, açúcar mascavo dissolvido em água) para facilitar a deglutição. Engula imediatamente a mistura sem mastigar. Não guarde para uso posterior. Pergunte ao seu médico ou farmacêutico antes de usar este método para preparar uma dose de oseltamivir para uma criança que é menor de 13 anos de idade ou pesa menos de 88 quilos.

O oseltamivir pode ser tomado com alimentos ou leite em caso de perturbação estomacal.

Para tratar os sintomas da gripe: Tome a cada 12 horas por 5 dias.

Para prevenir os sintomas da gripe: Tome oseltamivir a cada 24 horas durante 10 dias ou conforme prescrito. Siga as instruções do seu médico.

Use este medicamento durante todo o tempo prescrito pelo seu médico. Seus sintomas podem melhorar antes que a infecção seja completamente tratada. Informe o seu médico se os sintomas não melhorarem ou piorarem.

Guarde as cápsulas à temperatura ambiente, longe da humidade e do calor.

O que acontece se eu deixar de tomar uma dose?

Tome a dose esquecida assim que se lembrar. Ignore a dose omitida se a sua próxima dose estiver a menos de 2 horas de distância. Não tome uma cápsula extra para compensar a dose perdida.

O que acontece se eu overdose?

Procure atendimento médico de emergência ou ligue para a linha de atendimento a casos de envenenamento.

O que devo evitar?

Não use uma vacina contra a gripe nasal (FluMist) dentro de 48 horas após tomar oseltamivir. Pode interferir com a ação da droga FluMist, tornando a vacina menos eficaz. Siga as instruções do seu médico.

Doses do Oseltamivir

As doses do Oseltamivir variam de acordo com a idade e condição de cada paciente.

Dose de uso habitual para a gripe:

  • 75 mg por via oral duas vezes ao dia durante 5 dias;
  • Indicação aprovada: Tratamento da infecção aguda e não complicada da gripe em doentes sintomáticos não superior a 48 horas;

Dose adulta usual para a profilaxia da gripe:

  • Após contacto estreito com um indivíduo infectado: 75 mg por via oral uma vez por dia durante pelo menos 10 dias;
  • Durante um surto de gripe na comunidade: 75 mg por via oral uma vez por dia.

Comentários:

  • A terapia deve começar dentro de 48 horas de exposição.
  • Segurança e eficácia foram estabelecidas por até 6 semanas em pacientes imunocompetentes; Duração da protecção, enquanto a dosagem for mantida.
  • Segurança foi estabelecida por até 12 semanas em pacientes imunocomprometidos.

Dose pediátrica habitual para a gripe:

  • 2 semanas até menos de 1 ano: 3 mg / kg por via oral duas vezes por dia

1 a 12 anos:

  • 15 kg ou menos: 30 mg por via oral duas vezes por dia
  • 15,1 a 23 kg: 45 mg por via oral duas vezes por dia
  • 23,1 a 40 kg: 60 mg por via oral duas vezes por dia
  • 40,1 kg ou superior: 75 mg por via oral duas vezes por dia
  • 13 anos ou mais: 75 mg por via oral duas vezes por dia
 

Dose pediátrica habitual para a profilaxia da gripe:

1 a 12 anos:

  • 15 kg ou menos: 30 mg por via oral uma vez por dia
  • 15,1 a 23 kg: 45 mg por via oral uma vez por dia
  • 23,1 a 40 kg: 60 mg por via oral uma vez por dia
  • 40,1 kg ou superior: 75 mg por via oral uma vez por dia
  • 13 anos ou mais: 75 mg por via oral uma vez por dia

Duração da terapia:

  • Após contacto estreito com um indivíduo infectado: 10 dias
  • Durante um surto de gripe da comunidade: Pode ser continuado por até 6 semanas

Efeitos colaterais do oseltamivir

Como outros medicamentos, o oseltamivir também pode apresentar efeitos colaterais, decorrentes de seu uso, tais como náuseas, vômitos, diarreia e dores abdominais, além de cefaleia.

Os efeitos colaterais mais raros podem incluir hepatite, enzimas hepáticas elevadas, erupções cutâneas e reações alérgicas, incluindo entre elas a anafilaxia e a síndrome de Stevens-Johnson.

Em menor grau também foram observados outros efeitos colaterais, tais como:

  • arritmia cardíaca
  • convulsão
  • confusão mental
  • agravamento de diabetes
  • colite hemorrágica

Em alguns pacientes, o oseltamivir apresentou insônia, dor de garganta, congestão nasal e fadiga, embora esses casos tenham sido mais raros.

Uma das preocupações com o uso do oseltamivir é com relação a efeitos colaterais psicológicos e neurológicos, possivelmente causando atitudes incomuns no paciente.

O oseltamivir é eliminado normalmente pelas vias renais, o que exige a observação de pacientes com insuficiência renal, para promover o ajuste de dose do medicamento. Para pacientes idosos com boa saúde, não há qualquer necessidade de ajustes na dose.

De acordo com orientação de agências de controle de medicamentos, pacientes grávidas devem ser observadas pelo período de 30 a 48 horas após a administração do oseltamivir.

Interações medicamentosas do oseltamivir

Em virtude de sua ampla utilização, principalmente em casos de epidemias de gripe, o oseltamivir foi vítima de críticas, inclusive sobre a eficiência do medicamento.

As informações sobre o oseltamivir eram sobre sua origem, a partir do anis estrelado, e que, em razão disso, não serviria para combater a gripe, e sim como condimento culinário, não servindo como medicamento.

O oseltamivir é realmente produzido a partir do anis estrelado, proveniente de algumas províncias chinesas, embora seja produzido através de um processo químico bastante complexo, envolvendo uma série de etapas, além de outras substâncias que entram na composição do princípio ativo.

Sabe-se, atualmente, que, além das propriedades culinárias do anis estrelado, ele é indicado pelas suas propriedades antibacterianas e antifúngicas, ajudando a remover o congestionamento nasal. Por ser rico em fitoquímicos, como o creosol e o alpapinene, o anis estrelado serve para limpar as vias respiratórias, sendo usado em xaropes contra a tosse.

Em sua produção, devido às propriedades do metabólito de mínima ligação com proteínas plasmáticas, o oseltamivir não chegou a apresentar qualquer interação medicamentosa, agindo no organismo independente de qualquer outro medicamento utilizado pelo paciente e não recebendo qualquer interferência ou promovendo.

Contraindicações do oseltamivir

As únicas contraindicações para o uso de oseltamivir são em relação à hipersensibilidade do paciente ao fosfato de oseltamivir ou qualquer outro componente do produto, além da contraindicação para crianças abaixo de um ano de idade.

Com relação às crianças, é importante observar que o oseltamivir é excretado também pelo leite materno, havendo informações ainda limitadas sobre crianças que foram amamentadas por mães que fizeram uso do medicamento.

Os dados, no entanto, demonstraram que o oseltamivir apresentou níveis muito baixos no leite materno, resultando numa dose subterapêutica para o lactente e, considerando essa informação, não se constatou qualquer efeito adverso para a criança. Ou seja, não há qualquer impedimento do uso do medicamento pela mãe enquanto em período de amamentação.

Da mesma maneira, foram conduzidos estudos com relação ao uso de oseltamivir por mulheres grávidas. Os estudos demonstraram que não foram apresentados quaisquer efeitos nocivos, diretos ou indiretos, para o desenvolvimento do feto ou depois do nascimento do bebê, atestando que uma mulher grávida, em caso de epidemia de gripe, pode fazer uso do oseltamivir com toda a segurança, sem que o medicamento possa trazer qualquer tipo de dano ao bebê.

Fontes: